segunda-feira, 24 de novembro de 2014

Eu vi um sim onde os outros viram não




"No fundo, tenho medo de um grande caso, de gostar como já gostei umas três vezes em minha vida, de corpo e alma."
Cartas de Rubem Braga

Para o musicólico anônimo, Amsterdam  tem pelo menos duas armadilhas: a primeira e definitiva  é a loja Concerto da Rua Ultrechtsestraat, próxima à praça do Rembrandt. Quem sente saudade da Modern Sound, é uma daquelas, ampliada, com lojas separadas de clássicos, jazz, rock e uma sessão só de fados. Morri ali algumas vezes. E outras tantas na Fame, que ocupa todo o quarto andar do Shopping Magna Plaza, Voltei com as bolsas lotadas de discos. Os ingleses revistaram cada um.

Facilitou muito ter me hospedado no Radisson Blu. Impecável nos quesitos conforto e atenção, ainda tem o benefício de estar a cem metros de tudo. A cem metros da DAM square, onde tirei uma foto com a morte. Cem metros da Red Light Street, cem metros de qualquer café.

Come-se muito bem em Amsterdam. Há ótimos cafés e restaurantes italianos, tailandeses, e até argentinos. Apaixonei-me pelos queijos, pela batata frita e pelos stroopwafels . E, naturalmente, pelo chocolate belga da Leonidas.

Mas o melhor em Amsterdam foi ter encontrado um bom amigo. Fomos no mesmo vôo, para o mesmo simpósio e ficamos ambos no Radisson Blu. Com meia hora de conversa parecíamos velhos conhecidos. Graças a ele, tive saco para fazer o terrível city tour, e depois conhecer os Museus Van Gogh e Rijksmuseum e a casa de Anne Frank. Eu não tenho sensibilidade para quadros. Acho que Deus caprichou no ouvido, mas o olho é meio cego para contemplação. Queria muito ter olhado a Ronda Noturna com outros olhos.

Como já era previsto, detestei viajar 12 horas seguidas. Para o insone, não há nada pior do que se manter 12 horas acordado num avião. Gostei mais da KLM do que da British. Embora tenha ensaiado algumas compras nos free shops que passei, mal parei neles. Essa coisa do presente me torturou a viagem inteira, Comprei pouca coisa e acho que tudo errado. Exceto nos chocolates. Tive vontade de comer todos os stroopwafels que trouxe.

Além de tudo, Amsterdam é ótima para caminhar, faz sempre muito bem aos olhos e me deu uma sensação boa, diferente de tudo que já experimentei.