domingo, 25 de maio de 2008

Maestro, dá um lá menor aí, s'il vous plait

Em meados dos 90, eu tinha um Santana vinho, 2.0GL, a alcool. Era um bom carro. Infelizmente, lembro-me dele por um episódio ruim. Foi quando vim ao Rio me desfazer dos meus vinis. Enchi o Santana com quase dois mil discos e entrei na Sete de Setembro pelo Largo de São Francisco até a falecida Moto Discos. Foram-se quase todos a preço injusto e até hoje pago pelo arrependimento. Coisas da vida!

Eduardo Conde era um ator mediano, cantor idem. Deve ter sido ótima pessoa. Pouco me importa, quem gosta de música por diletantismo, pode se dar ao luxo de gostar inclusive da mediocridade, o que não é o caso.

O disco Certas Canções passou pela minha vida como obra prima. Gershwin, Aldir ( a melhor versão do Retrato Cantado), Tom (Demais, demais mesmo!), tudo interpretado bem fim de noite, bem abismo, bem ressaca por Eduado Conde e Luiz alves (baixo), Pena Café ( bateria) e Luis Aguiar (piano). Tudo isso foi embora com meus vinis.

Pois agora, graças ao site poeiras e cantos pude escutá-lo novamente. Obrigado, Poeiras e Cantos. Saudações Tricolores!!!!

Nenhum comentário:

Não sei o que meu corpo habita nessas noites quentes de verão

Fui a Baltimore. Um dos motivos extraordinários foi conhecer a Barnes e Noble de lá. Que decepção! Parece mais uma Saraiva compungida...