segunda-feira, 26 de maio de 2008

Mais seis ou treze.

Toda noite tem uma fanfarra aqui da janela do meu apartamento. O maestro deve ser gay, porque só toca YMCA e afins.
.................................................................................................
Comprei a edição nova do Moby Dick, belissimamente encadernada pela Cosac. Estou tomando coragem.
................................................................................................
Fiz uma seleção dos vinis que nunca saíram em cd e consegui baixar. Recomendações triplo A: Santo Amaro, com Aldir Blanc, O Bonde, com Zé Luiz Mazziotti, Unicornio, com Clara Sandroni, Boneca Cobiçada, com Ney Matogrosso, Ele vai te flechar, com Zé Renato, Demais, com Eduardo Conde e por aí vai.
...............................................................................................
Fred Hersch tocando Cole Porter (songs whithout words) não para de repetir no Ipod.
................................................................................................
Desci da Cantareira, peguei a Primeiro de Março, entrei pela Rosário, passei no Cláudio e tomei café com João e Raimundo, cheguei na empresa. O trabalho rendeu bem. Almoçamos no Tarantino. De tarde, trabalho bom igualmente. Subi a Cantareira, peguei o Morro São Sebastião e entrei no Ingá. O vélox demorou a entrar. nada demais. Estranha segunda-feira tranqüila.

Nenhum comentário:

Fragmentos

"Eurico Alves, poeta baiano, Salpicado de orvalho, leite cru e tenro cocô de cabrito. Sinto muito, mas não posso ir a Feira de...