sábado, 3 de maio de 2008

Participar da exposição agropecuária de Miracema é...


a) Um ato de amor e atenção com meus filhos. Não fosse por isso, eu jamais retornaria àquele poeirão.
b) Levar Chicó no parque e andar de bate bate com ele. Foto embaçada da Laura denuncia meu entusiasmo!
c) Se encher de carne vermelha na Barraca do Bode.
d) Conversar com Mário e Marila sem escutar o que eles dizem porque o som do palco alternativo (!!!!) não deixa.
e) Ver Laura maravilhosa andando pelo parque e lembrar do tempo em que eu gostava de andar pelo parque.
f) Aproveitar um pouco mais do resto de meninice da Luisa.
g) Rever um grande amor antigo e secreto e perceber que continua linda e intocável.
h) Comer uma dúzia de palha italiana da Barraca da APAE.
............................................................................
Todas as histórias que eu tenho pra contar dali dariam um blog só pra elas.
Da noite que eu virei conversando com uma menina que nunca mais vi, mas ficou. Era gordinha, gordinha, mas tinha uma conversa que fazia viajar longe.
Das primeiras namoradas. E daí os primeiros beijos, os primeiros etcs.
Da Casa da minha Vó, onde estrategicamente nos hospedávamos. Eu, Alexandre, Rodrigo Siri, João Trombada, Zé Antônio, Mineiro e tantos outros .
De terminarmos a noite na Boite da Piscina, absolutamente bêbados.
Das fugas pra roça no meio da noite no fusca velho.
Do frio doído que fazia na cidade naquela época.
Da Rosa de Prata misturada com sukita e um litro por noite.
De tudo que jamais volta, mas que ficou em pedaços vivos dentro de mim.

Nenhum comentário:

Não sei o que meu corpo habita nessas noites quentes de verão

Fui a Baltimore. Um dos motivos extraordinários foi conhecer a Barnes e Noble de lá. Que decepção! Parece mais uma Saraiva compungida...