quinta-feira, 1 de maio de 2008

Redescobrir

Pensei em deixar esse blog de lado por uns dias. Aqui em Miracema há outras ocupações, mas a verdade é que sinto falta de conversar com ele. É bom conversar com quem não ouve, não rebate, não complica. A vida já anda bastante complicada. Deixo de procurar grandes amigos por conta de não desapontá-los com minha falta de assunto.
Ando lendo muito, ouvindo muito, mas tenho pouco para falar. Tenho sido observador mais do que manifestante, estudante mais do que professor. Um velho amigo meu, suicida por convicção, dizia-me que um dia eu iria aprender que a discrição é um forma de sutileza. Acho que aprendo um pouco mais sobre o tema a cada dia.
A verdade é que as coisas que me emocionam são muito particulares.
Por exemplo, uma carta que recebi semana passada de uma amiga distante. Há centenas de quilômetros daqui, deu pra sentir que todos esses anos de ausência e todos esses quilômetros de distância são poucos para causar um afastamento que não me permitisse reconhecer cada palavra de consideração, cada frase de afeto. Pois eu não consegui respondê-la com o mesmo capricho com que me escreveu. Revendo minha resposta, fico desapontado mesmo, há pouca vida naquilo que escrevi.
Queria poder rebobinar a fita e consertar, não um arrependimento, mas uma sutileza qualquer que tivesse ficado mal resolvida.
Desconstruir até ficar resolvido.

Nenhum comentário:

Fragmentos

"Eurico Alves, poeta baiano, Salpicado de orvalho, leite cru e tenro cocô de cabrito. Sinto muito, mas não posso ir a Feira de...