domingo, 2 de novembro de 2008

Velhos domingos


Faz muito tempo isso. Eu morava na Rua Do Sapo em Miracema, onde moram minhas filhas até hoje e nunca estava só, como tenho andado ultimamente e hoje. Acompanhávamos Piquet e Senna em todas as corridas. De madrugada era sempre festa lá em casa, um rito que se repetia todo ano enquanto Senna viveu. Muita cerveja e uma conversaria honesta, de bons amigos. Vivíamos muito bem com o pouco que ganhávamos. Eram as corridas e os jogos do Fluminense. Lembro daquele gol de barriga do Renato Gaúcho, devia ter uns dezoito na minha sala, todos flamenguistas, menos eu.

Depois que Senna morreu, abandonei as corridas. Não achei honesto da minha parte continuar acompanhando. Perdeu a graça. Acreditei muito pouco em Felipe Massa pudesse fazer alguma coisa, mas cheguei a acompanhar e até comentei aqui.

Mas hoje, Massa me trouxe de volta a emoção das tardes de domingo em Miracema. Acompanhei de ponta a ponta e não pude evitar uma lagrimazinha na última volta. Belos tempos aqueles, belos tempos. Obrigado, Felipe!

Nenhum comentário:

Fragmentos

"Eurico Alves, poeta baiano, Salpicado de orvalho, leite cru e tenro cocô de cabrito. Sinto muito, mas não posso ir a Feira de...