quinta-feira, 29 de maio de 2008

Cida Moreira

Tenho ouvido Angenor, o disco que Cida Moreira dedica à obra de Cartola, com frequência cada vez maior. É um belo disco, com destaque para a toada Feriado na roça, um Cartola pouco conhecido, com um belo arranjo de violão. O disco se perde um pouco nas canções arranjadas para piano, mas nada que o desmereça.

Cida é mestra em song books. Na minha opinião, o melhor disco dedicado à obra de Chico foi feito por ela. É também seu melhor disco. Acertou em cheio aos escolher as canções teatrais de Chico, que parecem ter sido talhadas para sua voz operística. A voz do dono e o dono da voz com Cida deveria constar em qualquer antologia de Chico que se preze.

Nos anos 80, vi Cida muitas vezes. Dois memoráveis foram Porter a Porter e Cida canta Brecht (que também gerou um disco maravilhoso) no Teatro Rival. Vi um show íntimo, de voz e piano dela no Teatro da UFF. Depois de muitas tangibrinas, pedi que ela cantasse Viver de Amor, que ela tinha cantado no Rival e nunca gravou. É da Ópera do Malandro e uma das coisas mais densas que o Chico fez. Saí do Teatro sem ouvir. Cida parece não fazer concessões . Ou não estava num dia bom.

Adoro ouvi-la cantando Mais que a lei da Gravidade de Paulinho da Viola, dos primeiros discos. Dos últimos, prefiro Pra ver o Sol Nascer, no disco Na trilha do cinema e Si te adoro do disco Uma Canção pelo Ar.

Cida Moreira é um oásis nesse deserto de ridicularias que a mídia nos impõe.

Nenhum comentário:

Não sei o que meu corpo habita nessas noites quentes de verão

Fui a Baltimore. Um dos motivos extraordinários foi conhecer a Barnes e Noble de lá. Que decepção! Parece mais uma Saraiva compungida...