quarta-feira, 7 de maio de 2008

Paulo Polzonoff Jr

"Sim, meus amigos, é fato: existem pessoas com vidas piores do que as nossas. Existe câncer no pâncreas e existe cárcere privado e incesto; existe infanticídio e parricídio e padres que voam em balões; existem jogadores de futebol que pegam travestis na rua e… qual é mesmo a desgraça da vez?

Mas nada disso – nada – diminui, a longo prazo, a dor individual, que pode ser a dor de não encontrar a pessoa certa, de não ser capaz de pagar a prestação da geladeira nas Casas Bahia ou mesmo a dor de escolher o destino das próximas férias (Buenos Aires ou Santiago?).

A dor individual não tem escalas. Até porque, se tivesse, depois de Auschwitz todos nós seríamos indescritivelmente felizes."

Esse pequeno texto é dez. Agradeço mas uma vez à Camila pela indicação. O blog do cara está nos links aqui do lado.

Nenhum comentário:

Fragmentos

"Eurico Alves, poeta baiano, Salpicado de orvalho, leite cru e tenro cocô de cabrito. Sinto muito, mas não posso ir a Feira de...