segunda-feira, 10 de novembro de 2008

O vôo da guará vermelha.

Uma graça a crônica de Fernanda Torres na Veja Rio dessa semana. Tanto que começo a tomar coragem para buscar o tempo perdido e recomeçar Proust aos 47 anos do segundo tempo. Mas, Fernanda, o romance, o romance está vivo! Não deixe de ler os novos romancistas. Farei uma única sugestão a você: O vôo da guará vermelha, Maria Valéria Resende. É um finíssimo biscoito, Fernanda.
........................................................................................
Mais uma segunda proveitosa! Está ficando clichê.
........................................................................................
Fora a cantareira velha lotada de gente, uma caminha da inútil a um sebo da Cinelândia e o bife duro do Filé e Folhas que recusei de pronto. Meus pés reclamam!
........................................................................................
Perda de tempo: Invisível, um dos filmes do mês da HBO, vi por não ter outra coisa, é muito ruim. E Encurralados, com Pierce Brosnam é um suspense muito B.
........................................................................................
Por outro lado, liguei no Canal Brasil e estava reprisando uma entrevista do Pereio com o Miele, os dois completamente bêbados. Muito bom!

Nenhum comentário:

Fragmentos

"Eurico Alves, poeta baiano, Salpicado de orvalho, leite cru e tenro cocô de cabrito. Sinto muito, mas não posso ir a Feira de...